Futebol

O verdadeiro drama mexicano

A final do Clausura mexicano de 2013 teve todos os componentes de emoção possíveis em uma grande final. Para começar, a decisão foi em um clássico regional, entre América e Cruz Azul. Os azuis entraram em campo com a vantagem de ter vencido a primeira partida por 1 a 0 e dependiam apenas de um empate para levantar o caneco.

A situação dos Cementeros ficou ainda mais confortável aos 14 minutos de jogo, quando o zagueiro Jesus Molina tomou o cartão vermelho ao parar um contra-ataque. Cinco minutos depois, Téo Gutierrez abriu o placar para o Cruz Azul, aumentando a vantagem no placar agregado.

Foto: Mexsports

Foto: Mexsports

Impotente, o América pouco fez para merecer uma virada. Ainda viu o adversário acertar a trave e acumular chances perdidas para matar o jogo e vencer o campeonato.

Mas a bola pune. E o futebol é o único esporte no qual nem sempre quem joga melhor vence. E, com o aproximar do apito final, las Aguillas partiram para a tática do desespero, com todos os jogadores na área e vamos ver o que é que dá.

Deu apenas aos 44 minutos do segundo tempo, quando o zagueiro Mosquera cabeceou no contrapé do goleiro Corona e empatou o jogo. Como ainda era pouco para o América, o time seguiu sufocando o adversário para levar o jogo para a prorrogação. Aos 48, o delírio. O goleiro Moises Muñoz colocou a cabeça na bola no último escanteio do jogo.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

 

Nunca saberemos se a bola iria direto para as redes ou não. Fato é que o defensor Alejandro Castro, desesperadamente, colocou os pés no caminho da bola. E ela morreu no fundo das redes do Cruz Azul.

Na prorrogação, os dois times se respeitaram, apesar de moralmente o América estar muito superior mesmo com um jogador a menos.

Na decisão por pênaltis, o óbvio aconteceu. O já herói Moises Muñoz pegou uma penalidade e o zagueiro Alejandro Castro escorregou na sua batida, mandando para longe. Ninguém no América errou e as Aguillas garantiram a 11ª taça para a galeria do clube.

Com o título, o América se iguala ao Chivas Guadalajara como o maior campeão mexicano. O Cruz Azul provavelmente leva o título de maiores pipoqueiros da terra da tequila, já que perdeu a nona final nas últimas dez que disputou.

Foto: César Vicuña/Record MX

Foto: César Vicuña/Record MX

Apesar de ter sido uma final, ninguém garantiu vaga na Libertadores 2014. As vagas para macular o torneio sul-americano vão para os três melhores times da fase regular do Apertura, que será disputado no segundo semestre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s